Transtorno bipolar: o que é, tipos e sintomas

Publicado por:  Leonardo Lima

O transtorno bipolar (TB) interfere no humor da pessoa, por isso, há uma alteração bem forte nos relacionamentos de quem sofre com isso: a oscilação de intensidade pode ser menos frequente, ocorrendo poucas vezes ao ano, e mais frequente, com mudanças diárias.

A duração das crises também podem variar: algumas pessoas passam dias com oscilação de humor, por conta da doença, e outras podem ficar meses sofrendo com as mudanças.

E, às vezes, tem pacientes que não apresentam sintomas algum, mas há aqueles que veem sua rotina de trabalho, estudo e convivência social no geral bem prejudicadas. Isso ocorre porque as crises podem ser leves, moderadas e intensas.

O transtorno bipolar intenso pode até fazer com que a internação do paciente seja necessária. E, ao contrário do que se pensa, muitas pessoas têm o transtorno bipolar e não sabem.

Por conta disso, veem oportunidades de trabalho e até laços sociais prejudicados. Por isso, é importante identificar se você tem algum indício do transtorno bipolar para que o tratamento seja iniciado o quanto antes e seus efeitos minimizados para evitar desconforto e problemas sociais.

Bom, é com esse objetivo que escrevemos este artigo sobre transtorno bipolar, queremos te ajudar, para isso abordaremos:

  • O que é transtorno bipolar
  • Transtorno bipolar tipo 1
  • Transtorno bipolar tipo 2
  • Transtorno Ciclotímico
  • Os sintomas da doença
  • Transtorno bipolar no mundo
  • Diferença entre depressão e transtorno bipolar
  • Tratamento do transtorno bipolar
  • Transtorno bipolar na gravidez
  • Como se "pega" transtorno bipolar

Nos pontos abordados você conhecerá um pouco mais sobre a doença e como deve agir caso desconfie que você, ou algum conhecido, tenha o transtorno bipolar. Se ao fim do artigo ainda tiver alguma dúvida pergunte nos comentários.

O que é transtorno bipolar

O transtorno bipolar é uma doença que influencia no humor das pessoas, ora ela está melancólica, ora está eufórica. Ou seja, se você tiver essa doença, terá momentos de grande tristeza e irritação, e outros de muita alegria e motivação.

Muitas pessoas pensam que o transtorno bipolar é uma doença de nossos dias, que por conta de toda agitação do dia a dia, por conta de todas as tecnologias que brigam pela nossa atenção, algumas pessoas ficam instáveis emocionalmente.

Mas o fato é que esta doença é bem antiga, temos notícia dela antes mesmo de Cristo, por meio de escritos de Aristeu da Capadócia. Então, a doença não é nada nova. Veja um trecho do que ele escreveu:

“Na maioria dos melancólicos a tristeza se torna melhor depois de variados períodos de tempo, e se converte em alegria; os pacientes então desenvolvem o que se chama de mania.”

É claro que hoje sabemos bem mais sobre o transtorno bipolar, porque o aperfeiçoamento da ciência médica permitiu que conhecêssemos mais sobre ela. O francês Falret foi um dos que se dedicou a isso.

E, baseado em pesquisas recentes, as pessoas que possuem o transtorno podem ter uma vida melhor.

Quem conhece alguém que tenha transtorno bipolar pode, também, ajudá-la a ter uma vida de bem-estar. Mas para isso é preciso conhecer. É assim que vamos te ajudar neste artigo: preparamos abaixo os 2 principais tipos da doença, acompanhe.

Transtorno bipolar tipo 1

O transtorno bipolar tipo 1 era chamado, e até hoje algumas pessoas usam essa palavra, de psicose maníaco-depressiva. Esse tipo da doença é caracterizado pela intensidade, ou seja, ela é mais forte que o tipo 2. O paciente que tem o tipo 1 passa por momentos difíceis chamados de episódios.

Os episódios são crises que podem variar de maníaco a melancolia, eles são bem intensos e podem ser:

  • episódio maníaco
  • episódio hipomaníaco
  • episódio depressivo maior

Nesses estados do transtorno bipolar tipo 1 a pessoa fica com muita euforia e muita animação. O doente quer fazer tudo; ele não consegue parar; ele fica ligado no 220.

Isso faz com que a pessoa perca o sono, seja impaciente, fale impulsivamente e tome decisões sem pensar, que pode gerar consequências bem ruins para vida das pessoas. Pois, elas podem fazer coisas que as prejudique como dirigir após beber, ter relações sexuais sem proteção, etc.

Em média, as pessoas que possuem os episódios do transtorno bipolar tipo 1 têm cerca de 18 anos. Porém, tanto crianças como idosos podem apresentar os sintomas.

Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DMS-5), a crise maníaca do tipo 1 dura no mínimo uma semana, presente na maior parte do dia e quase todos os dias.

Transtorno bipolar tipo 2

O transtorno bipolar tipo 2 é caracterizado pela prevalência da melancolia, isto é, a maior parte dos sintomas dos doentes são depressivos. E o episódio depressivo maior tem uma duração de pelo menos 2 semanas. Os sintomas são quase os mesmos que o do tipo 1, mas com prevalência da tristeza.

A TB tipo 2 é mais comum em mulheres e mais frequente a partir dos 25 anos, diferente do tipo 1 onde os pacientes têm média de 18 anos, mas as crises do tipo 2 tendem a diminuir com o avançar da idade.

Os sintomas característicos desse tipo é a impulsividade, que contribui na tentativa de suicídio e abuso no uso de remédios.

Pessoas com transtorno bipolar tipo 2 normalmente vão ao médico durante um episódio depressivo maior.

Transtorno Ciclotímico

O transtorno bipolar ciclotímico possui quase os mesmos sintomas do tipo 1 e tipo 2, mas as mudanças de humor são mais leves. O tratamento dos tipos anteriores são na sua maioria com medicamentos, já o ciclotímico é feito por terapia e aconselhamento psicológico.

Ele costuma aparecer mais na adolescência e no início da vida adulta e muitas vezes é confundido com problemas de temperamento ou uma fase passageira.

O transtorno pode causar uma certa dificuldade de convivência entre os familiares e os adolescentes, causando incompreensão e danos para toda a vida. Por isso, se o adolescente da família tem um desequilíbrio de humor, procure ajuda profissional.

Todo transtorno de humor pode ter um período curto de duração, mas quando volta pode estar mais forte e prejudicar ainda mais o convívio social e a saúde do doente.

Por exemplo, se o transtorno ciclotímico não for devidamente tratado pode evoluir para o transtorno bipolar tipo 1 ou 2.

Os Sintomas da TB

As pessoas que possuem transtorno bipolar apresentam muitos sintomas, vamos especificar alguns deles abaixo, mas lembre-se que cada pessoa pode ter um sintoma mais forte e mais presente, nem todos terão os mesmos sintomas.

Os sintomas podem aparecer aos poucos, isso quer dizer que a pessoa pode apresentar um sintoma em um episódio e outros sintomas durante outras crises. Confira a lista:

  • aumento de atividade
  • dificuldade de concentração
  • aumento na impulsividade
  • humor elevado
  • sente-se bem com apenas 3 horas de sono
  • fuga de ideias: o pensamento fica tão acelerado que a pessoa não consegue completar sua linha de raciocínio
  • muita distração: qualquer coisa tira a atenção da pessoa
  • surto desenfreado de compras
  • indiscrição sexual
  • humor anormal
  • tristeza
  • falta de esperança
  • falta de interesse
  • perda significativa de peso
  • ganho significativo de peso
  • insônia quase todos os dias
  • muito agitação
  • fadiga
  • culpa excessiva
  • indecisão
  • pensamento de morte
  • tentativa de suicídio
  • falta de apetite

Exemplos práticos de pessoas com transtorno bipolar

Agora, daremos alguns exemplos registrados pelo DMS-5 em pessoas com transtorno bipolar, acompanhe.

Você pode ter visto alguém assim, mas não se adiante dizendo que a pessoa tem o TB, primeiro ela deve ir ao médico:

  1. Quando a pessoa sofre uma crise maníaca, ela pode se envolver em diversos projetos, mesmo que não conheça nada sobre eles, com toda confiança, ou seja, tudo é possível para ela.
  2. Delírios de grandeza, achar que é superior e que pode fazer tudo bem melhor do que qualquer outra pessoa.
  3. Pessoa incansável, o sujeito pode estar dias sem dormir e não sentir nem um pouco de cansaço.
  4. Fala pelos cotovelos sem se preocupar se a outra pessoa está entendendo, usa gestos excessivos, tenta ser engraçado a qualquer custo, pode também ser hostil e fazer reclamações incontroláveis.
  5. Anda de um lado para outro falando consigo mesmo.
  6. Infidelidade sexual, relacionamento sexual com estranhos e sem se preocupar com a saúde.

As pessoas que passam pelas crises não percebem que estão doentes, ou seja, os sintomas são tidos como normal. Por isso, elas tendem a resistir aos tratamentos.

Risco de suicídio em pessoas com transtorno bipolar

O transtorno bipolar causa vários sintomas, como vimos acima, e eles podem influenciar bastante na tentativa de suicídios, principalmente nas pessoas que têm o transtorno de tipo 2, pois a taxa de suicídio entre elas tendem a ser maior.

Um estudo da American Psychiatric Association afirma que os riscos de suicídio em pessoas com TB é 15 vezes maior. Por esse motivo o tratamento é muito importante.

Transtorno bipolar no mundo

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 140 milhões de pessoas no mundo possuem o transtorno bipolar. A doença é considerada uma das principais causas de incapacidade no mundo.

Por conta disso, o dia 30 de março foi escolhido como o Dia Mundial do Transtorno Bipolar. Nesta data lembra-se da importância de não discriminar as pessoas que possuem essa doença e como é importante tratá-la.

Isso é tão importante, para os portadores da doença e para os familiares, que no Brasil existe a ABRATA, uma associação que promove o amparo ao doente e promove a conscientização sobre a doença.

Algumas pessoas podem confundir o TB com a depressão, mas elas são doenças diferentes, veja:

Diferença entre depressão e transtorno bipolar

Parte da conscientização sobre o transtorno bipolar passa pela diferenciação entre pacientes bipolares e outras doenças, mesmo que sejam parecidas como é o caso da depressão, isso é fundamental para realizar o tratamento adequado.

Assim como a depressão o transtorno bipolar é um problema de saúde mental, mas a diferença é que a depressão deixa a pessoa sempre melancólica e triste, enquanto os portadores do transtorno podem ter episódios de depressão e episódios de manias, ou seja de euforia e alegria.

O depressivo apresenta os seguintes sintomas:

  • sentimentos de rejeição
  • angústia
  • culpa
  • pessimismo
  • desânimo
  • dificuldade de concentração
  • não consegue tomar decisões devido insegurança
  • medos
  • baixa autoestima
  • cansaço
  • insônia ou aumento de sono
  • perda de apetite
  • perda de peso incomum
  • ganho de peso incomum
  • lentidão na fala e nos movimentos
  • pensamentos de suicídio
  • explosões de raiva
  • ansiedade
  • isolamento social

Resumindo, os sintomas da depressão são sempre relacionados a coisas ruins, enquanto os do transtorno bipolar, seja tipo 1 ou tipo 2, apresentam mudanças de humor para alegria, autoconfiança, muita disposição, etc.

Sabendo qual é exatamente a doença que se tem será possível realizar um tratamento adequado, abaixo falaremos um pouco sobre isso, acompanhe.

Tratamento do Transtorno Bipolar

Como vimos os casos mais graves do transtorno bipolar podem levar o doente ao suicídio, por isso, é preciso procurar um psicólogo ou um psiquiatra para início dos tratamentos o quanto antes. Mesmo que o doente resista, o que provavelmente acontecerá.

O tratamento age sobre os sintomas, já que o transtorno bipolar não tem cura. O tratamento pode ser feito com medicamentos como:

  • antipsicóticos
  • antidepressivos

Mas há também o tratamento que visa agir diretamente nos comportamentos do paciente durante a mania ou hipomania como:

  • terapia cognitiva-comportamental
  • psicoeducação

O tratamento é de grande importância para que as pessoas tenham uma vida comum e sem muito sofrimento.

Por que tratar o transtorno bipolar se ele não tem cura?

Mesmo sem cura, há casos em que o doente pode ficar anos sem ter uma crise, ou casos em que o primeiro episódio só ocorre quando em idade avançada.

Isso é bom para quem já identificou a doença e está tratando e é ruim para aqueles que sofrem com pequenas crises e ainda não foram diagnosticados.

A consequência disso é que quando os sintomas aparecem com força podem causar consequências irreversíveis, não só na sua saúde mental, mas também na sua saúde física.

A pessoa que tem o transtorno pode ter dificuldades de seguir na sua carreira profissional, porque ora está bem, ora toma atitudes que magoam e afastam os outros.

Muitos comportamentos causam problemas de relacionamento com amigos e familiares, também.

Isso tudo causa muito sofrimento ao doente. Se o doente for criança ou jovem, pode ter dificuldades por toda vida, problemas nos estudos, com isso, muitos acabam tornando-se usuário de drogas, álcool e tranquilizantes.

Transtorno Bipolar e Gravidez

Uma mulher que tenha o transtorno bipolar e esteja fazendo o tratamento pode engravidar, ou caso já esteja grávida e identifique a doença, ela pode continuar com o tratamento.

Mas neste momento é preciso muito apoio da família e amigos, pois a doente tende a rejeitar acompanhamento, mesmo o pré-natal. É o que afirma um estudo publicado no Jornal Brasileiro de Psiquiatria.

Assim, além de manter-se em risco, ela pode também colocar a vida do bebê em risco, uma vez que durante uma crise ela pode se drogar ou ter relação sexual sem camisinha, correndo risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis.

Remédios na gestação

O tratamento do transtorno bipolar em gestantes é mais difícil, pois o uso de remédios para controle dos sintomas pode prejudicar o desenvolvimento do bebê. Até é possível o uso de alguns remédios, mas isso deve ser bem acompanhado pelo médico.

Depressão pós-parto

Por isso, no período da gestação e pós-gestação os amigos e familiares devem dar todo o apoio a gestante. Sabe-se que existem muitos casos de depressão pós-parto em consequência das mudanças hormonais intensas que ocorrem nas mulheres.

Sendo assim, quem tem transtorno bipolar precisa de maior acompanhamento, pois há mais chances de se ter uma crise de mania ou crise depressiva.

Normalmente, é comum que a mulher tenha o humor alterado pós-parto, mas se isso passar de duas semanas é preciso ter um cuidado especial.

Aleitamento Materno

Os remédios usados durante o tratamento poderão ser usados durante o período de aleitamento materno. Pois não existem grandes contraindicações, mas lembre-se que tudo deve ser acompanhado pelo médico.

Como se "pega" transtorno bipolar

Transtorno bipolar não é um vírus, então não podemos dizer que se pega. Estudos indicam que a doença apresenta fatores genéticos e ambientais.

Isso quer dizer que a pessoa tem que ter uma predisposição genética para ter a doença, e isso não é controlável, pois é herdado da família.

Já as causas ambientais são mais fáceis de se identificar. Um estudo sobre os fatores de risco do transtorno bipolar revelou que a ocorrência da doença se dá em maior número em pessoas com:

  • condição socioeconômica desfavorável (desemprego e baixa renda)
  • solteiras
  • 3 primeiros meses após o parto

Esses foram os três fatores que mais contribuíram com os resultados, o restante como etnia, sexo, local de nascimento, estação do ano em que se nasceu e fatores sociais não contribuíram muito.

A conclusão que se tem é que a doença tem grande influência genética mesmo, porém, os pesquisadores não conseguiram mapear bem os fatores. Por isso, a doença ainda não tem cura. E, o tratamento dos sintomas se torna ainda mais importante.

Conclusão

O transtorno bipolar é uma doença sem cura e muito prejudicial, pois pode não só levar o portador do transtorno ao suicídio, durante a crise de depressão, mas também a tomar atitudes inconsequentes.

Logo, o tratamento é fundamental para que os episódios de mania e depressão sejam controlados e assim a pessoa possa ter uma vida melhor.

Caso você tenha identificado pelo menos 5 dos sintomas que elencamos no texto ou tenha alguém próximo de você que os tenha, agende uma consulta com um psicólogo para iniciar o tratamento o quanto antes e evitar consequências ruins.


Comentarios

transtorno bipolar transtorno bipolaridade saúde

Nos envie uma mensagem